FORMAÇÃO

Confere aos profissionais que pacificam a sociedade as ferramentas que precisam para a transformar.

Padrões de treinamento ICFML para os países lusófonos: DIRETRIZES

A taskforce IMI sobre Avaliação de Treinamento e Competência do Mediador foi convocada pela Comissão de Normas Independentes do IMI (ISC) para fazer recomendações em relação aos padrões de capacitação e avaliação de competências para mediadores da seguinte forma:
Programas de treinamento em mediação – Estabelecimento dos critérios mínimos exigidos relativamente á qualidade, metodologia e conteúdos essenciais necessários para os cursos de mediação
Formadores de mediadores – Estabelecimento dos critérios mínimos de conhecimentos, habilidades e experiência exigidos por aqueles que ensinam cursos de mediação
Competência de mediação para avaliadores – Estabelecimento de critérios mínimos de conhecimentos, habilidades e experiência exigidos por aqueles que dão feedback e avaliam mediadores.
As seguintes diretrizes estabelecem esses requisitos em duas seções:
A Seção A abrange os critérios e padrões necessários que devem ser implementados para que um programa de treinamento seja considerado de um padrão aceitável.
A Seção B cobre os critérios e padrões aceitáveis para Professores e Avaliadores, que trabalharão com os participantes em um programa de treinamento de habilidades do mediador.

No seguimento deste trabalho global, e com a coordenação do ICFML, foi criado um grupo de trabalho de representantes de instituições brasileiras de formação, acadêmicos, mediadores para discutir e adaptar estas recomendações globais ao mercado brasileiro. 
Estas diretrizes têm como objetivo de ajudar as instituições de formação no Brasil a realizarem os seus treinamentos baseados em parâmetros internacionais de qualidade, e desta forma garantirem a credibilidade e qualidade do exercício da mediação privada no Brasil.
Em 2020 este trabalho será realizado para Portugal e seguidamente o mesmo trabalho será realizado para os outros países lusófonos.